• Portugal | MATANÇA - *Ora a perda de cem vidas humanas, nas circunstâncias em que ocorreu – dois picos de vagas incendiárias muito concentradas no tempo e imprevisivelmente d...
    Há 1 dia

domingo, 9 de janeiro de 2011

QUER UM EMPREGO? AINDA ESTÁ MUITO A TEMPO!

.
Filie-se no PS e seja um Boy ou uma Girl de sucesso (FB)

É fácil e barato: só tem que filiar-se no PS!
.
ORLANDO CASTRO*, jornalista – ALTO HAMA

De há muito (e por isso estou na fase de aprender a viver sem comer) que considero que qualquer um pode ser chefe, seja do que for. Tal como entendo que para ser líder o processo é diferente. Seja como for, o ideal em Portugal é ser do PS mas, sobretudo e ainda por enquanto, da ala de José Sócrates. Continua a ser fácil, é barato e pode dar emprego e até um... tacho.

É que pensar que se é bom chefe só porque se usa gravata ou porque alguém lhe deu o título, é, mais ou menos, como pensar que se é pintor só porque se conhecem as cores do arco-íris. Um chefe dá ordens, um líder dá o exemplo. É por isso que em Portugal abundam os chefes e faltam os líderes.

Em entrevista no dia 28 de Junho do ano passado ao Público, Narciso Miranda dizia que “o PS tem um chefe e não um líder”, acrescentando que “quando assumimos o poder, houve uma prática de muita arrogância e autismo”, e que foi “a partir desse momento que apareceram muitos cristãos-novos, que não conheciam bem, ou não tiveram o cuidado de conhecer, o projecto ideológico do PS e estamos agora a pagar uma factura pesada dessa arrogância...”

É por isso que para mim é, hoje como ontem, confrangedor o culto ao chefe por parte dos socialistas. Eu sei que já há muitos a dar sinais de que a todo o momento (basta o chefe deixar de o ser) podem mudar de barricada. Mas, mesmo assim, tenho alguma dificuldade em entender como é que socialistas inteligentes continuam de cócoras e, parafraseando Renato Sampaio, têm “falta de coragem para escreverem o que pensam”.

É bem verdade, no entanto, que mudam-se os tempos... mudam-se as vontades. Num artigo de opinião do jornal Público há para aí três anos, intitulado "Contra o medo", Manuel Alegre criticava "a confusão entre lealdade e subserviência" que, segundo o socialista, se verificam no Governo de José Sócrates. Recordam-se?

"Há um clima propício a comportamentos com raízes profundas na nossa História, desde os esbirros do Santo Ofício até aos bufos da PIDE", escreveu Manuel Alegre, acusando o Partido Socialista de "auto-amordaçar-se". Recordam-se?

Mas a vida é mesmo assim, sobretudo nas ocidentais praias lusitanas a norte, embora cada vez mais a sul, de Marrocos. O presente (e se calhar o futuro) está para os que sabem assinar apenas o que lhe mandam, para os que têm coluna vertebral amovível e que quase sempre a deixam em casa, para os que pensam com a cabeça do chefe.

Estas são, aliás, características que podem abrir a qualquer cidadão lugares bem remunerados na Assembleia da República portuguesa, nos partidos, no governo, nas empresas públicas etc..

Pelo contrário, os que são daquela espécie profissional que acha que dizer a verdade é a melhor qualidade, que pensa que deve dar voz a quem a não tem, o melhor é ir pregar para outra freguesia ou deixar-se estar no desemprego.

Se, pelo contrário, considera que a única verdade é a verdade do chefe, se para si o importante é ajudar os poucos que têm milhões a ter mais uns milhões, pouco importando os milhões que têm pouco ou nada, se não consegue assinar (porque não sabe assinar) a ficha de candidatura, mas consegue pôr o dedo, ou já é ou será um grande político, autarca, deputado, ministro, gestor, director e por aí fora.

Durante anos (muitos, é certo) Portugal parecia um país sério, mas não era. Agora não parece nem é. São cada vez mais os exemplos (políticos, empresariais etc.) dos que se julgam pianistas só porque compraram um piano. Aliás, continuam a ter em cima do piano a foto em que aparecem a cumprimentar José Sócrates (o cartão do partido, esse está na carteira).

Por outras palavras, se se medir o nível intelectual deste Portugal “made in Largo do Rato” pelo número de pianos, obras de arte etc. é certo que o país está bem colocado.

Numa sociedade onde o que importa é o que se aparenta, onde o relevante é o deslumbrante “play-back” de Luciano Pavaroti quando se tem voz de Zé Cabra, são cada vez mais os que estão na ribalta embrulhados em etiquetas sociais de renome, talvez até importadas de Paris. O presente é, ou parece, ser deles. Se o futuro também o for, então Portugal estará cada vez mais perto de Marrocos.

São como os frutos de plástico que ornamentam as exposições de mobiliário. Lindos, gostosos e sedutores quando vistos à distância… Pena é, contudo, que como a fome é negra, qualquer prato de lentilhas chega para comprar consciências.

Não deixa, contudo, de ser elucidativo ver como o acessório é mais relevante do que o essencial, como o embrulho é mais importante do que o produto, como a capa é mais vital do que o conteúdo, como o cargo é mais paradigmático do que tudo o resto.

É uma sociedade de faz de conta, onde o que importa é dizer-se que se tem um stradivarius por que se sabe que ninguém vai querer saber que o instrumento é, afinal, feito com latas de sardinha e foi comprado na Feira da Vandoma, no Porto.

E assim não vamos lá. Portugal precisa de uma estratégia (ou desígnio) que valorize quem tem ideias e não quem diz que as tem. Que institua o primado da competência independentemente da filiação partidária e das cunhas.

No entanto, para os especialiats em “play-back” de competência, e no caso de ainda o não terem feito, aconselho que garantam, antes que seja tarde, um tacho.

*Orlando Castro, jornalista angolano-português - O poder das ideias acima das ideias de poder, porque não se é Jornalista (digo eu) seis ou sete horas por dia a uns tantos euros por mês, mas sim 24 horas por dia, mesmo estando (des)empregado.
.

Sem comentários: