• O NATAL É VERMELHO - *Tinha na cabeça que tudo no mundo se conseguia por um exercício doloroso de vontade e que as frases tinham de ter um encantamento que convocasse o prime...
    Há 1 dia

quinta-feira, 3 de março de 2011

AUMENTO DOS PREÇOS DOS ALIMENTOS MOTIVA ALERTA DO BANCO MUNDIAL

.

RÁDIO RENASCENÇA

O aumento do preço dos alimentos, próximo dos níveis recorde de 2008, colocou mais 44 milhões de pessoas dos países em vias de desenvolvimento próximo do limiar da pobreza.

O dado vem inscrito num relatório publicado esta terça-feira pelo Banco Mundial, em Washington. O presidente do Banco, Robert Zoellick, disse tratar-se de uma situação perigosa e apelou aos líderes do G20, que se reúnem dentro de alguns dias em Praga, a que coloquem a questão do preço dos alimentos no topo da agenda.

Entre os alimentos que aumentaram significativamente de preço no último meio ano está o trigo (mais de 100%), o milho (73%) e o açúcar (20%).

Robert Zoellick disse que os habitantes mais vulneráveis do planeta, aqueles que gastam mais de metade dos seus rendimentos em comida, estão a ser muito afectados.

No mesmo tom, um responsável da agência não-governamental Oxfam afirmou que se alguém ganha 20 dólares por hora, esta alta de preços acabará por afectar as despesas, mas no caso de quem ganha 20 dólares por mês, esta subida, marca a diferença entre comer ou não.

Alta do preço dos alimentos
é responsável por 70% do aumento do IPC chinês

Li Jinchuan - CRI

O vice-diretor do Grupo de Liderança dos Trabalhos Rurais da China, Chen Xiwen, afirmou ontem (30) que o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) do país foi de 3,3% no ano passado.

Ele disse que 70% do aumento do IPC foi causado pelo aumento do preço dos alimentos.

Segundo Chen, o desenvolvimento nas zonas rurais da China foi muito bom. A renda média per capita dos camponeses atingiu 5.919 yuans, o melhor nível na história.

Uma das prioridades da China em 2011 é garantir o abastecimento de produtos agrícolas, disse ele. Ao mesmo tempo, o país vai aumentar investimentos na agricultura e subsídios aos camponeses.
.

Sem comentários: