• O NATAL É VERMELHO - *Tinha na cabeça que tudo no mundo se conseguia por um exercício doloroso de vontade e que as frases tinham de ter um encantamento que convocasse o prime...
    Há 1 dia

quarta-feira, 30 de março de 2011

LULA FALA DA “ESTRATÉGICA RELAÇÃO” ENTRE PORTUGAL E BRASIL

.

Cláudia Bancaleiro, Natália Faria – Público – 30 março 2011

Ex-Presidente recebe doutoramento "honoris causa"

Mais do que os fastidiosos discursos oficiais, foi um estudante brasileiro que, com uma só frase, melhor sintetizou a importância simbólica do doutoramento honoris causa do ex-presidente do Brasil. “É uma lição aos que criticavam o Brasil por ter eleito um presidente que nem curso superior tinha”, atirou Mauro Gold Schimdt, 23 anos e um dos cerca de mil brasileiros a estudar em Coimbra.

A pairar sobre esta cerimónia estava a hipótese de o Brasil comprar títulos da dívida soberana portuguesa, mas, sobre este assunto, no discurso de Lula da Silva, nem uma vírgula. Sobre a importância das relações entre os dois países Lula falou, mas apenas para sublinhar o óbvio. “Julgamos estratégica a relação com Portugal e com os países africanos de língua portuguesa. O que nos une é infinitamente mais importante do que aquilo que nos separa. Somos uma comunidade de destino a ser potencializada com entusiasmo tanto na esfera linguística quando no terreno económico e comercial”, afirmou, dizendo fazer votos para que a sua presença sirva para “estreitar ainda mais” os “laços históricos” e as “parcerias produtivas” entre Portugal e o Brasil.

Dilma Rousseff, que ontem admitiu a hipótese de o Brasil ajudar Portugal a sair da crise, não falou à entrada. Cavaco Silva, sim. Mas apenas para dizer que Lula da Silva é “um grande amigo de Portugal”. Logo, “é uma honra a sua presença”. José Sócrates também não falou. Entreteve-se a deixar-se fotografar ao lado dos estudantes brasileiros que o bombardearam munidos de máquinas digitais, ansiosos de se verem fotografados ao lado do, ainda que demissionário, primeiro-ministro português.

Só em Coimbra são cerca de mil os estudantes brasileiros. Nas contas de Lula da Silva, são 51 as universidades brasileiras que desenvolvem projectos de ensino e de pesquisa em parceria com a Universidade de Coimbra. Uma realidade tornada possível também por causa do esforço que o ex-Presidente diz ter feito e que se traduziu, nos oitos anos da sua presidência, na criação de 14 novas universidades federais e 126 extensões universitárias. Não está mal para o metalúrgico que nunca frequentou uma universidade. Mas nem tudo são rosas. Num sms que um estudante brasileiro enviava a alguém, lia-se “Falei a Dilma para aumentar nossas bolsas, pode ser que dê sorte”.

"Doutoramento é homenagem à revolução feita pelo povo brasileiro"

Lula da Silva considerou que a distinção que hoje recebeu é uma homenagem ao “povo brasileiro que nos últimos anos desenvolveu uma verdadeira revolução economia e social”. O ex-chefe de Estado disse ter recebido “com imensa honra” o doutoramento, que considerou que “mais do que um reconhecimento pessoal”, é "uma homenagem ao povo brasileiro, que nos últimos oito anos realizou, de modo pacífico e democrático, uma verdadeira revolução económica e social”.

Lula da Silva realçou ainda o “enorme salto qualitativo” dado pelo Brasil “no rumo da prosperidade e da justiça”, deixando “para trás um passado de frustrações e cepticismo”. “Após uma prolongada estagnação, o Brasil voltou a crescer de modo vigoroso e continuado, gerando empregos, distribuindo renda e promovendo uma vasta inclusão social”, reforçou Lula, destacando o papel importante que ministros como Dilma Rousseff (foi ministra das Minas e Energia e ministra chefe da Casa Civil) tiveram para o Brasil alcançar este desenvolvimento. Lula da Silva não esqueceu também a colaboração do seu “parceiro de todas as horas”, o “inesquecível” José de Alencar. O antigo vice-presidente morreu esta terça-feira, Lula tinha já prometido que iria homenageá-lo esta manhã ao receber o prémio.

1 comentário:

Anónimo disse...

Excelentíssimo Professor Reitor da Universidade de Coimbra,


Peço vênia para enviar-lhe a presente mensagem motivado pelo espanto e por certa indignação.

Tal indignação é da mesma natureza que senti quando, aqui no Brasil, certa vez, este senhor Lula da Silva, usando das prerrogativas de chefe-de-estado brasileiro, fez reunir no salão nobre da Academia Brasileira de Letras todos os 'imortais' do seu quadro de membros para assistir uma peroração do então Presidente da República sobre - pasme! - 'Reforma Ortográfica do Idioma Português', recentemente acordada entre os povos que falam a nossa língua.

Fosse eu um deles e, certamente, teria devolvido o meu 'fardão' à instituição...
Agora, a versão da 'homenagem' é atribuir ao ex-presidente o título de Doutor Honoris Causa (Que honra? Que causa?), para desespero dos que já foram homenageados por tal honraria.

Da última vez que estive em Coimbra - onde se costuma respirar o mais puro ar da erudição e da justiça - alguns amigos portugueses, de forma bem humorada, reclamaram que os brasileiros fazem piadas demais com os portugueses.

Mas, pelo visto, os portugueses insistem e dar motivos para tais piadas...