• A MORTE DA HISTÓRIA - *John Pilger* *Um dos mais louvados "eventos" da televisão americana,The Vietnam War, arrancou agora na rede PBS. Os directores são Ken Burns e Lynn Novi...
    Há 17 horas

terça-feira, 8 de março de 2011

NÃO VIVEMOS NUM PAÍS DEMOCRÁTICO, sustenta David Mendes

.
Foto: Alexandre Neto

ALEXANDRE NET, Luanda - VOA NEWS – 04 março 2011

Não pertencer ao MPLA constitui razão para ser declarado inimigo

Luanda está tensa. Ameaças de morte e residências vigiadas são relatos que nos chegam de pessoas visadas.

O político, advogado e defensor dos Direitos Humanos David Mendes disse ter recebido várias mensagens na madrugada de hoje.

Em carta que fez distribuir o responsável aponta igualmente para os boatos que vêm sendo disseminados via electrónica, anunciando a sua fuga para o exterior do país.

“Estamos conscientes de que não vivemos num país democrático onde não pertencer ao MPLA constitui razão para ser declarado inimigo. Mas estamos firmes na causa que defendemos: a Democracia e os Direitos Humanos”.

Já o soba Katapi que é o coordenador do FAT- Fórum das Autoridades Tradicionais denunciou o que chamou de vigilância de que é alvo a sua residência, depois duma inesperada visita que recebeu por parte de pessoas que não identificou.

Em 2004 o responsável tradicional foi surpreendido por polícias que o levaram para uma unidade, quando conversava com um deputado em sua própria casa.

Quando perguntado se tinha participado o caso a polícia, foi categórico em afirmar que não acreditava nela!

Junto com quatro outras organizações da sociedade civil, o FAT declarou apoio a vigília que teria lugar no domingo, organizado por três partidos da oposição, entretanto não autorizada pelo governador de Luanda.

Num momento em que o MPLA exorta os angolanos a elevarem os níveis de vigilância, impedindo que indivíduos de má fé possam perturbar o processo democrático e retardar os esforços em curso para a melhoria da qualidade de vida do povo angolano.

No comunicado publicado no final da II reunião do Bureau Político hoje realizada, o partido no poder apelou os seus partidários para não responderem a provocações recorrendo se necessário às instituições do Estado.

Polícias e militares têm reforçado o patrulhamento em Luanda.

Nas escolas a mobilização para marcha de amanhã tem carácter obrigatório!

Instado a comentar sobre o clima de tensão instalado, Rafael Marques designou de “intimidação nacional” a situação que se vive presentemente.
.

Sem comentários: