• O NATAL É VERMELHO - *Tinha na cabeça que tudo no mundo se conseguia por um exercício doloroso de vontade e que as frases tinham de ter um encantamento que convocasse o prime...
    Há 1 dia

terça-feira, 8 de março de 2011

Para se perpetuar no poder, o regime angolano volta a jogar a velha tese...

.

... de uma nova guerra
.
ORLANDO CASTRO*, jornalista – ALTO HAMA

O secretário para a informação do MPLA, Rui Falcão Pinto de Andrade, afirma que as armas e munições encontradas no navio americano Maersk Constellation, retido no Lobito, pertencem à UNITA, apesar de se destinarem ao Quénia.

De quando em vez, ou seja sempre que dá jeito, o regime angolano faz destas descobertas.

Em Fevereiro de 2008 (não foi assim há tanto tempo), numa entrevista à LAC - Luanda Antena Comercial, o então ministro da Defesa angolano, Kundi Paihama, levantou a suspeita de que a UNITA mantinha armas escondidas e que alguns dos seus dirigentes tinham o objectivo de voltar à guerra.

Kundi Paihama afirmou na altura, ao seu melhor e habitual estilo, que os antigos militares do MPLA, "se têm armas", não é para "fazer mal a ninguém" mas sim "para ir à caça".

Alguém sabe se esses antigos militares caçadores já devolveram as armas? Não. Ninguém sabe até porque essas armas ao estarem na posse de gente do regime estão, obviamente, em boas mãos.

Quanto aos antigos militares da UNITA, o governante disse que a conversa era outra, e lembrou que mais cedo ou mais tarde vai ser preciso falar sobre este assunto.

Importa por isso perguntar: Então malta da UNITA? O que é que é isso? Têm para aí um arsenal de metralhadoras debaixo da cama para quê? Não é para caçar, com certeza. E julgavam vocês que os Kundi Paihamas do regime não descobriam? Francamente...

Na entrevista à LAC, citada pelo site Angonotícias, Kundi Paihama disse textualmente: "Ainda hoje se está a descobrir esconderijos de armas".

Disse e é verdade. Todos sabemos que o meu amigo Alcides Sakala, por exemplo, tem na sua secretária 925 Kalashnikov, para além de 423 mísseis Stinguer.

E o meu amigo Lukamba Gato? Da última vez que estive com ele trazia na mala aí uns 14 órgãos Staline (a mim pareceu-me serem mais uns katyushas), para além de me ter mostrado no porta bagagens do carro, oito tanques Merkava de fabrico israelita.

"Eu tenho muitos dados na qualidade de Ministro da Defesa (...) mas não posso revelar publicamente", indiciou o ministro da Defesa, que disse ainda acreditar que há dirigentes da UNITA interessados num regresso à guerra. Recordam-se?

O ministro da Defesa não pode, disse, revelar o que sabe. No entanto, o Alto Hama está em condições de revelar o que Kundi Paihama sabe. Para além dos casos referidos (Sakala e Gato), Isaías Samakuva nunca sai à rua sem levar no bolso três tanques ucranianos, modelo T-84.

Adalberto da Costa Júnior esconde no seu fato, de puro corte inglês, pelo menos sete mísseis norte-americanos Avenger.

O melhor é ficar por aqui. É que Kundi Paihama também sabe que eu tenho um tanque alemão Leopard 2 na minha cozinha, disfarçado de máquina de lavar louça...
.
NOTA: No passado dia 2, a propósito da situação em Angola, dei uma entrevista à Deutsche Welle - Voz da Alemanha e que foi transmitida no dia seguinte. Podem agora lê-la na íntegra clicando no endereço referido. - clique aqui

*Orlando Castro, jornalista angolano-português - O poder das ideias acima das ideias de poder, porque não se é Jornalista (digo eu) seis ou sete horas por dia a uns tantos euros por mês, mas sim 24 horas por dia, mesmo estando (des)empregado.
.

Sem comentários: