• CUIDADO COM AS ARMADILHAS! - *Martinho Júnior | Luanda* Há demasiada interferência externa em relação a Angola neste momento, de que se está a aproveitar alguma "oposição" interna e...
    Há 2 horas

segunda-feira, 18 de abril de 2011

ANTÓNIO ARNAUT VÊ COMO “HUMILHANTE” PEDIDO DE MEDICAMENTOS



DIÁRIO DE NOTÍCIAS – 18 abril 2011 - Fotografia © Manuel Correia

António Arnaut, o criador da lei do Serviço Nacional de Saúde, classificou hoje de "humilhante para a dignidade do utente" e "ofensivo para o SNS" a alegada recusa e pedido de medicamentos e outro material a doentes hospitalizados.

Em declarações à Lusa, a propósito de notícias sobre alegadas recusas e pedidos de medicamentos e outro material hospitalar aos doentes - que está a ser alvo de uma acção da Inspecção-Geral das Actividades da Saúde (IGAS) - António Arnaut foi perentório: "Os cidadãos portugueses ainda não chegaram tão baixo que possam aceitar tentativas deste género".

"Não posso acreditar que um responsável por uma unidade de saúde do SNS possa cometer a desfaçatez de solicitar que os utentes tragam medicamentos ou outro tipo de produto qualquer", disse.

O antigo ministro dos Assuntos Sociais, conhecido como o "pai" do SNS", lembrou que situações desta natureza acontecem "em países muito pobres da Ásia, Paquistão, Sri Lanka, onde alguns doentes levam até os lençóis".

"Isso é humilhante para a dignidade do utente e ofensivo para o SNS, para o nosso extrato social", disse.

António Arnaut considera que, a existirem situações deste tipo, devem-se por duas hipóteses: "Ou resulta da desfaçatez da pessoa que teve essa iniciativa ou é mais uma tentativa de descredibilizar o SNS".

O socialista alertou ainda para "o período de graves dificuldades" que os portugueses estão a passar e que, na sua opinião, "pode suscitar alguma simpatia por parte de certas pessoas".

"Todos os cidadãos conscientes devem recusar situações deste género. Eu, rejeito energicamente todo este tipo de medidas, porque o Estado ainda não chegou a este tipo de penúria e os cidadãos portugueses ainda não chegaram tão baixo", frisou.

Sem comentários: