• CUIDADO COM AS ARMADILHAS! - *Martinho Júnior | Luanda* Há demasiada interferência externa em relação a Angola neste momento, de que se está a aproveitar alguma "oposição" interna e...
    Há 2 horas

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

A VERDADE VENCERÁ SEMPRE

.

JULIAN ASSANGE – URUKNET - TRIBUNAL IRAQUE

Em 1958 o jovem Rupert Murdoch, então proprietário e editor do The News de Adelaide, escreveu: “Na corrida entre o sigilo e a verdade, parece inevitável que a verdade vencerá sempre”.

A sua observação talvez fosse reflexo da revelação feita pelo seu pai Keith Murdoch, de que as tropas australianas estavam a ser sacrificadas inutilmente, por comandantes britânicos incompetentes nas costas de Gallipoli. Os Ingleses tentaram silencia-lo mas Keith Murdoch não se calaria e o seu empenho levou ao fim da devastadora campanha de Gallipoli.

Quase um século depois, a Wikileaks está também destemidamente a publicar factos que devem ser publicados.

Eu cresci no estado de Queensland, onde as pessoas diziam exactamente o que pensavam de forma directa. Elas suspeitavam dos grandes Estados como de qualquer coisa que podia ser corrompida se não fosse vigiada com cuidado. Os negros dias da corrupção do governo de Queensland antes do Inquérito Fitzgerald, são testemunhos do que acontece quando os políticos amordaçam a comunicação social, impedindo-a de relatar a verdade.

Estes acontecimentos ficaram na minha memória. A Wikileaks foi criada em torno destes valores essenciais. A ideia concebida na Austrália, teve como objectivo empregar as tecnologias da internet em novas formas de relatar a verdade.

A Wikileaks inventou um novo tipo de jornalismo: o jornalismo científico. Trabalhamos com outras agências de informação, levando as notícias às pessoas mas também provando a verdade. O jornalismo científico permite às pessoas lerem a narração do facto e ao clicar on line verem o documento original em que ela se baseia. Desta forma as pessoas podem julgar por si próprias: Será o caso verdadeiro? E o jornalista relatou-o correctamente?

As sociedades democráticas necessitam de uma comunicação social forte e a Wikileaks faz parte dela. A comunicação social ajuda a ter governos honestos. A Wikileaks tem revelado algumas duras verdades sobre as guerras do Iraque e do Afeganistão e informações humilhantes sobre a corrupção dos governos.

Há pessoas que dizem que eu sou antiguerra: por acaso, não sou. Às vezes as nações precisam de fazer a guerra e há guerras justas. Mas não há nada de mais errado do que um governo mentir ao seu povo sobre essas guerras, ou pedir a esses mesmos cidadãos para porem as suas vidas e os seus impostos em risco, devido a essas mentiras. Se há razão para haver uma guerra, então diz-se a verdade e o povo decidirá se a deve apoiar.

Se leram alguma dos documentos oficiais sobre a guerra do Afeganistão ou do Iraque, alguma das mensagens telegráficas das embaixadas dos EUA ou alguma das narrações acerca dos factos que a Wikileaks relatou, pensem como é importante para toda a comunicação social poder relatar esses factos livremente.

A Wikileaks não é o único a publicar os telegramas de embaixadas dos EUA. Outras agências de informação, incluindo The Guardian da Inglaterra, The New York Times, El Pais de Espanha e Der Spiegel da Alemanha publicaram os mesmos telegramas redigidos.

No entanto foi a Wikileaks, como coordenadora destes outros grupos, que sofreu os ataques e acusações mais violentos do governo dos EUA e seus acólitos. Eu tenho sido acusado de traição, embora seja um cidadão australiano e não norte-americano. Tem havido imensas Sempre que a Wikileaks publica a verdade acerca de abusos cometidos com a intervenção dos EUA, os políticos australianos entoam um coro comprovadamente falso com o Departamento de Estado: “ “Vocês vão pôr vidas em risco! Segurança nacional! Vão pôr soldados em perigo!” Mas depois dizem que não há nada de importante no que a Wikileaks publica. Ora, não podem ser os dois. Qual deles é, afinal?

Estados, mas nem uma única pessoa, como se sabe, foi maltratada. Porém os EUA, com a conivência do governo Australiano, matou milhares só nos últimos meses.

O Secretário da Defesa norte-americano Robert Gates admitiu numa carta ao Congresso dos EUA que nenhuma das sensíveis fontes de informações ou técnicas dos serviços secretos tinha sido comprometida pela divulgação das actas sobre a guerra no Afeganistão. O Pentágono declarou que não havia nenhuma prova de que os relatórios da Wikileaks tivessem causado mal a alguém no Afeganistão. A NATO em Cabul disse à CNN que não encontrou uma única pessoa a necessitar de protecção. O Departamento de Defesa australiano disse o mesmo. Nenhum dos soldados ou fontes de informações australianos foi atingido por algo que nós publicámos.

Mas a matéria que nós publicámos está longe de não ter importância. Os telegramas diplomáticos dos EUA revelam factos alarmantes:

Os EUA pediram aos seus diplomatas para roubarem material e informações de carácter pessoal de entidades das Nações Unidades e de organizações de defesa aos direitos humanos, incluindo DNA, impressões digitais, imagens dos olhos, números de cartões de crédito, acessos à internet e fotografias pessoais, em total violação aos tratados internacionais. Presume-se que os diplomatas australianos das Nações Unidas possam ter sido também alvo destas medidas.

O rei Abdullah da Arábia Saudita pediu às entidades norte-americanas na Jordânia e no Bahrein que parassem o programa nuclear iraniano por todos os meios disponíveis.

O inquérito da Inglaterra ao Iraque foi organizado para proteger “os interesses dos EUA”.

A Suécia é membro clandestino da NATO e a sua participação nos serviços secretos dos EUA é escondida do parlamento.

Os EUA estão a jogar fortemente para conseguirem que outros países recebam presos da Baía de Guantánamo. Barack Obama concordou em encontrar-se com o Presidente Esloveno só se a Eslovénia ficar com um prisioneiro. Foram oferecidos ao nosso vizinho do Pacífico, Quiribati, milhões de dólares para aceitar prisioneiros.

No seu acórdão proferido no caso Pentagon Papers, o Supremo Tribunal dos EUA disse “Só uma imprensa livre e sem restrições pode efectivamente revelar a fraude do governo”. A tempestade que roda em torno da Wikileaks hoje reforça a necessidade de defender o direito de todos os meios de comunicação revelarem a verdade.

Fonte: Uruknet - Tradução de F. Macias
.

Sem comentários: