• O NATAL É VERMELHO - *Tinha na cabeça que tudo no mundo se conseguia por um exercício doloroso de vontade e que as frases tinham de ter um encantamento que convocasse o prime...
    Há 1 dia

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

DELENDA EST TUNIS!

.

JORGE HEITOR, jornalista – O MÁXIMO

É preciso destruir Tunes tal como a conhecemos, símbolo de um poder que se desenhou em 1956 aquando da proclamação da independência e em 1957 com a institui por Habib Burguiba.

É preciso destruir a Tunes actual, erguida à sombra de Cartago e na evocação das guerras púnicas, para então erguer um novo burgo, mais democrático, para suceder a uma capital que tem estas funções desde o tempo dos almóadas, no século XII.

A destruição das estruturas que Fued Mebazaa herdou de Burguiba e de Ben Ali é hoje em dia um dos objectivos de muitos dos habitantes de um pequeno país do Norte de África apertado entre a Argélia, o Mediterrâneo e a Tunísia.

A Tunes erguida sobre as ruínas de uma Cartago destruída por incitamento de Catão, no Senado de Roma, está hoje em dia nas mãos de um homem de 78 anos que foi fiel servidor de Habib Burguiba e do seu sucessor directo Ben Ali.

O antigo presidente da câmara municipal de um velha cidade que já era capital quando os primeiros reis de Portugal chegaram ao Algarve é hoje em dia o Presidente interino de uma República que treme nos seus alicerces.

O general Zine al-Abidine Ben Ali refugiou-se nas delícias da Arábia Saudita, mas o presidente da sua câmara legislativa e do seu Governo continuaram a ser figuras cimeiras de um regime que parte significativa da população desejava ver significativamente alterado; e que ainda o não foi.

Dove'è la Libertà? - perguntam-se hoje muitos tunisinos, tal como Robert Rossellini o fazia num filme da primeira parte da década de 1950, com Totò. E, tal como Buñuel em 1974, só conseguem descortinar o fantasma dessa mesma liberdade.

A corrupção, as crescentes desigualdades e a repressão política não são coisas do agrado das gentes da Tunísia nem de muitas outras; pelo que, hoje e sempre, ali e em toda a parte, a Revolução continua por efectuar. Será que ela é apenas um mito, ou que alguma vez poderá vir a ser concretizada para benefício geral das populações? Jorge Heitor
.

Sem comentários: