• Portugal | MATANÇA - *Ora a perda de cem vidas humanas, nas circunstâncias em que ocorreu – dois picos de vagas incendiárias muito concentradas no tempo e imprevisivelmente d...
    Há 1 dia

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

A UE, como é hábito, está sempre com quem está no poder...

.

… seja ditador ou... ditador!

ORLANDO CASTRO*, jornalista – ALTO HAMA

A União Europeia vai tentar amanhã, numa demonstração da sua mais típica hipocrisia, virar a página de Ben Ali na Tunísia, congelando os bens do clã do deposto Presidente, mas há hesitações quanto à atitude a tomar face à vaga de protestos no mundo árabe.

Com a facilidade típica da cobardia internacional, que pretende ser um paradigma para o restante mundo, a UE mostra toda a “coragem” de passar os ditadores de bestiais a bestas depois de eles serem depostos pelo povo, embora nada tenha feito para a alterar as coisas antes de o povo sair à rua.

Quanto à preocupação com outras ditaduras, não só do mundo árabe, a União Europeia vai tentar que elas se aguentem no poder de modo a que, como até aqui, continuem a ser uma mina para o dito mundo ocidental.

A UE sabe bem que é mais fácil negociar com ditadores do que com regimes democráticos. É por isso que aposta em ditaduras que tenham uns tantos palhaços na corte e que, dessa forma, possam dar um ar democrático aos regimes.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE reúnem-se amanhã, em Bruxelas, para adoptarem um acordo de princípio com vista a confiscar os bens do clã Ben Ali, consultando o novo Governo de transição tunisino.

Ainda recentemente, e é só um exemplo, Portugal beijava a mão de Ben Ali, procurando dessa forma garantir negócios. José Sócrates enalteceu até a estabilidade política da Tunísia. No entanto, amanhã, Luís Amado vai com certeza dizer que que Ben Ali era um ditador da pior espécie e que, como sempre, Lisboa está ao lado de quem estiver no poder, seja ou não um ditador.

Criticada por ter reagido tarde à revolta de 17 de Dezembro de Sidi Bouzidi, no centro da Tunísia, quando um jovem se imolou, levando um mês depois à queda de Zine El Abidine Ben Ali, a UE tenta agora não perder o comboio da História.

E não vai perder esse comboio, mesmo que não seja propriamente um TGV. Aliás, os cobardes, os vira-casacas, nunca perdem nenhum comboio. Estão sempre com quem manda.

*Orlando Castro, jornalista angolano-português - O poder das ideias acima das ideias de poder, porque não se é Jornalista (digo eu) seis ou sete horas por dia a uns tantos euros por mês, mas sim 24 horas por dia, mesmo estando (des)empregado.
.

Sem comentários: