domingo, 20 de fevereiro de 2011

CULTURA NA ROTA DOS ESCRAVOS

.

MARTINHO JÚNIOR

As culturas das nações do Sul, assim como os acumulados conhecimentos humanísticos, entre eles a história, a antropologia cultural, a sociologia, têm sido predominantemente estudadas e dissecadas por cientistas dos países do norte.

Essa constatação em muitos casos é acompanhada de crítica fundamentada aos métodos seguidos em muitas investigações que reflectem padrões sócio culturais distintos, que não correspondem objectivamente às razões antropológicas e históricas do Sul, nem abarcam toda a informação disponível sobre os fenómenos do passado de pelo menos 500 anos a esta parte.

A visão eurocêntrica da “descoberta” das Américas, assim como a “independência” dos países latino americanos, por exemplo, têm sido alvo, 200 anos após o hastear das bandeiras das nações do Sul, de uma ampla e meritória revisão crítica, com implicações como é lógico nas humanísticas, contribuindo para uma outra abordagem da evolução da situação humana de há pouco mais de 500 anos a esta parte tanto nas Américas como em África.

A revolução no Haiti, por exemplo, merece ser estudada e levada a assumir a evidência histórica e humana que as “civilizações dominantes” nunca quiseram, também por que isso é renascimento para o povo do Haiti, para as Américas e para África. (1)

As noções de respeito para com a Mãe Terra das civilizações ameríndias, são um inestimável património para o conhecimento de hoje, quando as questões climáticas e ambientais apontam para um aumento de riscos nunca antes conhecidos que colocam em perigo inclusive a espécie humana. (2)

Esse amplo movimento que integra a vontade de renascimento para as nações subjugadas e os povos oprimidos de todo o mundo que agora podem começar a experimentar emergência também nas humanísticas, julgo que é para seguir, pois é justo que os povos do Sul sujeitem a crítica fundamentada, objectiva e criativa todo o conhecimento acumulado a partir de outros, até agora com a exclusão da possibilidade de sua contribuição em termos de conhecimento científico e humano, quando há tantos factos que perduram e estão “esquecidos” nos próprios arquivos do Sul.

Para as Américas e África esse renascimento passa pelo aprofundar do estudo documental, antropológico e histórico da rota dos escravos.

Que registos e documentos foram produzidos pelos escravos levados para as Américas?

Que testemunhos próprios existem de suas origens e culturas?

Que factos e razões levaram à Revolução no Haiti antecipando a própria Revolução Francesa?

Cuba e Angola iniciam um conjunto de acções que visam aprofundar o conhecimento antropológico e histórico em função de acervos ainda não sujeitos a melhor atenção e estudo, particularmente referente ao testemunho dos escravos de origem africana que de forma forçada foram levados para as Américas.

De acordo com a ANGOP: (3)

“As Repúblicas de Angola e Cuba têm de cooperar com maior intensidade na troca de documentos históricos e na promoção de eventos internacionais, que visam difundir a verdadeira identidade dos respectivos povos.
A proposta foi lançada nesta segunda-feira pela ministra da Cultura, Rosa Cruz e Silva, no Arquivo Histórico desse país, onde fez uma visita de trabalho, para ver as condições materiais existentes e lançar as bases tendentes a materialização da parceria”.

(…)

“Rosa Cruz e Silva afirmou ser fundamental impulsionar essa relação dos arquivos, por acreditar haver no arquivo de Cuba dados históricos sobre o Continente Africano mais verídicos e fiáveis em relação aos produzidos pelos pesquisadores europeus.
Fundamentou a sua afirmação com o facto de muitas informações terem sido passadas pelos próprios escravos levados de África, como moeda de troca, daí reafirmar que os pesquisadores europeus interpretaram mal, em alguns casos, as manifestações culturais locais”.

A Ministra da Cultura da República de Angola afirmou ainda em justo suporte de seu argumento:

“Temos documentação sobre Angola noutros países, como Argentina, México e em quase todos onde houve presença africana, pelo que podíamos organizar, no âmbito do projecto Rota dos Escravos, eventos e conferências, para tirar do sono esses documentos”.

A visita oficial da Ministra da Cultura de Angola a Cuba, na sequência aliás da visita do Vice Presidente angolano Fernando da Piedade Dias dos Santos, “Nandó”, ocorreu por alturas da Feira do Livro de Cuba, um acontecimento que leva ao encontro de homens de cultura de todo o Mundo, em Havana. (4)

A culminar essa Feira houve este ano um encontro de mais de cem intelectuais com Fidel e os temas em abordagem marcam profundamente o conhecimento sobre a actual situação do homem e do planeta bem como as opções que se tornam inadiáveis assumir. (5)

As iniciativas angolano-cubanas no que diz respeito à cultura e ao acervo documental histórico disponível (e por melhor estudar) nos arquivos dos dois países, têm também muito que ver com as reflexões contemporâneas sobre o homem e o planeta de que Fidel se tornou um lúcido filósofo de há praticamente 20 anos a esta parte: em ambos os casos há sinais claros de renascimento das humanidades envolvendo as elites intelectuais dos países do Sul, podendo a cooperação entre Angola e Cuba, nesse aspecto, tornar-se exemplar.

Martinho Júnior - 16 de Fevereiro de 2011

Notas:
- (1) – O Haiti e a maldição branca – Eduardo Galeano –
http://www.vermelho.org.br/noticia.php?id_noticia=123106&id_secao=7
- (2) – Proyecto Declaración Universal de los Derechos de la Madre Tierra –
http://cmpcc.org/2010/02/06/proyecto-declaracion-universal-de-los-derechos-de-la-madre-tierra/#more-643
- (3) – Angola e Cuba devem intensificar troca de arquivos históricos – ANGOP –
http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/lazer-e-cultura/2011/1/7/Angola-Cuba-devem-intensificar-troca-arquivos-historicos,0e709903-1866-4ea2-a491-a82145c36f2d.html
- (4) – Angola considera necessária ajuda cubana – ANGOP –
http://www.portalangop.co.ao/motix/pt_pt/noticias/politica/2011/0/3/Angola-considera-necessaria-ajuda-cubana,61d5ae39-cfcc-4bc6-b656-670d892e014f.html
- (5) – El mundo deberia ser una família – Cubadebate –
http://www.cubadebate.cu/noticias/2011/02/15/fidel-con-intelectuales-a-la-humanidad-hay-que-salvarla-ya/comment-page-1/#comment-173527
.

Sem comentários: