• O NATAL É VERMELHO - *Tinha na cabeça que tudo no mundo se conseguia por um exercício doloroso de vontade e que as frases tinham de ter um encantamento que convocasse o prime...
    Há 16 minutos

quarta-feira, 2 de março de 2011

Angola: A CONTRA-MANIFESTAÇÃO DO MPLA

.

CARLOS ALBERTO JÚNIOR* - DIÁRIO DA ÁFRICA – 02 março 2011

O e-mail abaixo tem circulado há alguns dias em Angola. Relata a movimentação do MPLA para impedir a organização de manifestações contrárias ao governo.

Com uma população miserável e uma juventude cada vez mais insatisfeita, as autoridades precisarão de muita habilidade para manter o país nos trilhos.

Contra-manifestação do MPLA marcada para o dia 5 de Março de 2011 - CEMPLAM - Circular 02

Comité de Especialidade do MPLA para a Mudança - Circular 02/CEMPLAM/2011

Assunto: Contra-manifestação do MPLA marcada para o dia 5 de Março de 2011

Camaradas

Compatriotas

No dia 28 de Fevereiro, o secretário municipal do MPLA no Cazenga, Camarada Domingos Francisco Naval, reuniu todos os directores de escola do município no Complexo da Frescangol.

A reunião serviu para baixar instruções do Bureau Político do MPLA e do secretário provincial do MPLA, o Camarada Bento Bento.

As instruções foram claras. Todos os directores de escola foram obrigados a mobilizar todos os professores do Cazenga, familiares e amigos para participarem na contra-manifestação “espontânea” de 5 de Março de 2011. A marcha partirá da Unidade Operativa de Luanda, junto ao Jumbo, e terminará no Largo da Independência. Por causa da resistência dos militantes, o Camarada Bento Bento decidiu este roteiro de menos de 500 metros.

O Cazenga é o município mais populoso de Luanda, com mais dois milhões de habitantes e é a zona mais degradada, mais abandonada da capital. É a zona dos mais pobres. Qualquer acto de manifestação contra o poder pode gerar uma invasão do Cazenga contra o centro urbano da capital.

Durante a reunião, o Camarada Domingos Francisco Naval ameaçou todos os directores de escola de despromoção caso faltem à contra-manifestação. Exigiu, também, que se marquem faltas e se punam todos os professores que não aparacerem na manifestação e não mobilizarem as famílias e amigos para a marcha.

O Camarada Domingos Francisco Naval disse ainda que todos os que faltarem serão qualificados de estar contra o MPLA e tratados com dureza e as suas famílias.

Aqui se revela o problema do MPLA do Talatona, do Miramar, do Alvalade, Bairro Azul e Mutamba que come e bebe à custa do MPLA do Cazenga, do Sambizanga, dos pobres. O povo sofredor que é roubado todos os dias pela camarilha do Camarada Presidente é que são obrigados a marchar.

O povo está a ser chamado, através da chantagem na função pública, para manter os luxos e privilégios da elite e suas amantes.

Perguntamos. Onde estão os quatro milhões de militantes do MPLA? Será que sem a chantagem contra os funcionários públicos o MPLA do Camarada Presidente consegue mobilizar o povo? Este MPLA consegue mobilizar os jovens sem bebedeiras, corrupção, diplomas falsos e empregos sem função?

O Comité de Especialidade do MPLA para a Mudança solidariza-se com os directores, professores e demais cidadãos residentes no município do Cazenga que se opõem a esse acto miserável de manipulação política da consciência popular.

Nós somos do MPLA revolucionário e não do MPLA reaccionário. Nós somos do MPLA nacionalista e não do MPLA neocolonialista. Nós somos do MPLA pela democracia e não do MPLA da ditadura. Nós estamos do lado do povo e contra o tirano José Eduardo dos Santos.

Usemos a festa de Carnaval do dia 8 de Março na marginal de Luanda para gritarmos:

Viva o povo angolano!

Viva a democracia!

Viva o MPLA!

Abaixo o Camarada Ditador José Eduardo dos Santos!

Reflictamos com sabedoria, patriotismo e espírito de tolerância.

Reunido no Cazenga, aos 1 de Março de 2011.

O Comité do MPLA para a Mudança

mailto:comitedompla.mudan%C3%A7a@gmail.com

*Carlos Alberto Jr. é jornalista. Está em Washington (DC) desde maio de 2010. Trabalhou em jornais, revista e agência de notícias em Campos dos Goytacazes (RJ), São Paulo e Brasília. Viveu dois anos em Angola como correspondente da TV Brasil na África e fez reportagens em 15 países do continente e no Timor Leste. Contato: carlosjr153@hotmail.com
.

1 comentário:

Anónimo disse...

Outro "nervo ciático".