• O NATAL É VERMELHO - *Tinha na cabeça que tudo no mundo se conseguia por um exercício doloroso de vontade e que as frases tinham de ter um encantamento que convocasse o prime...
    Há 1 dia

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Docentes de universidade privada ameaçam demissão em bloco em Nampula

.
LYR – LUSA

Nampula, 06 abr (Lusa) - Vinte e oito docentes da Faculdade de Ciências Agrárias da Universidade Mussa Bin Bique, instituição privada de ensino superior, na cidade de Nampula, norte de Moçambique, ameaçam demitir-se em bloco, a partir de hoje.

Num abaixo-assinado enviado à reitoria daquela universidade, os docentes reivindicam, para além das melhores condições de trabalho, a readmissão de responsáveis pela área pedagógica e pelas faculdades de Ciências Agrárias e de Gestão e Contabilidade, supostamente despedidos sem justa causa.

Os professores acusam o reitor da Mussa Bin Bique, Freitas Delgado, do uso indevido de fundos da instituição e incapacidade de gestão.

"A atual política da direção é contratar novos licenciados para pagarem menos, rejeitando os docentes experientes e que tenham nível de mestrado e doutoramento, o que compromete a qualidade na formação dos estudantes" disse à Lusa, Ibraímo Jamal, representante dos docentes.

A fonte referiu-se igualmente a uma alegada interferência do Centro de Formação Islâmica da Beira, província central de Sofala, nas atividades da universidade.

O reitor Freitas Delgado recusou hoje falar aos jornalistas sobre a situação.

Esta é a segunda vez em menos de um ano que docentes daquela universidade ameaçam com greve, reivindicando melhores condições de trabalho, a criação de uma estrutura orgânica e contratação de docentes qualificados.

O governo provincial de Nampula confirma o sucedido e promete observar a situação, disse a diretora de Educação, Páscoa de Azevedo.

A Universidade Mussa Bin Bique funciona desde 2000 e tem tido uma atividade atribulada: um vice-reitor foi demitido por suspeita de desvio de fundos e são constantes os protestos de professores e alunos.

O prometido campus universitário, no valor de 4,5 milhões de euros, financiado pelo Banco Árabe de Desenvolvimento, governo líbio e Universidade Internacional Islâmica da Malásia, entre outros, continua na gaveta.

Sem comentários: