• Portugal | MATANÇA - *Ora a perda de cem vidas humanas, nas circunstâncias em que ocorreu – dois picos de vagas incendiárias muito concentradas no tempo e imprevisivelmente d...
    Há 1 dia

quarta-feira, 6 de abril de 2011

A REVOLUÇÃO EGÍPCIA: DEZ ANOS DE GESTAÇÃO

.

Em vez de surgir, subitamente, do nada, a revolução egípcia é o resultado de um processo que se foi gerando ao longo da década anterior. Por Hossam el-Hamalawy.

Na década de 1990, o nome de Hosni Mubarak só se podia pronunciar entre sussurros. Evitava-se falar sobre política ou fazer piadas desse teor nos telefonemas. Este ano, milhões de egípcios lutaram, durante dezoito dias, contra o seu ditador ancião, fazendo face aos contingentes policiais que lhes lançavam gás lacrimogéneo, balas de borracha e fogo real. O povo egípcio perdeu o medo, mas tal não aconteceu de repente. Em vez de surgir, subitamente, do nada, o 25 de Janeiro de 2011, a revolução egípcia é o resultado de um processo que se foi gerando ao longo da década anterior, uma reacção em cadeia aos protestos do Outono de 2000 em solidariedade com a Intifada palestiniana.

O governo com mão de ferro de Mubarak e o início da guerra suja entre o regime e os militantes islâmicos na década de 1990 supôs a morte da dissidência nas ruas. Proibiram-se reuniões públicas e protestos de rua, reprimidas pela força quando se realizavam. Utilizava-se fogo real contra os grevistas e os sindicatos ficaram sob o controlo do governo.

Só depois de desencadeada a Intifada palestiniana de Setembro de 2000 saíram à rua, como forma de protesto, milhares de egípcios, provavelmente pela primeira vez desde 1997.

Apesar dessas manifestações se produzirem em solidariedade com os palestinianos, depressa alcançaram uma dimensão contrária ao regime e apareceu a polícia para sufocar esses protestos pacíficos. No entanto, o presidente continuou a ser tema tabu e raras vezes pude ouvir lemas contrários a Mubarak.

Recordo a primeira vez que ouvi os que protestavam massivamente gritar contra o presidente em Abril de 2002, durante os distúrbios pró-palestinianos nos arredores da Universidade do Cairo. Em campo com as tristemente celebres forças centrais de segurança, os manifestantes gritavam em coro, em árabe: “ Hosni Mubarak, o mesmo que [Ariel] Sharon”.

A ira explodiria, a uma escala ainda maior, com o estouro da guerra do Iraque em Março de 2003. Mais de 30.000 egípcios enfrentaram a polícia no centro do Cairo, ocupando a Praça Tahrir, durante um breve espaço de tempo, enquanto queimavam outdoors com a efígie de Mubarak. As cenas retransmitidas pela Al Jazira e outras redes por satélite, da revolta palestiniana ou da invasão do Iraque dirigida pelos Estados Unidos, estimularam os activistas a demolir o muro do medo, pedra por pedra. Foi em 2004 quando os que faziam campanha a favor da Palestina e contra a guerra, lançaram o movimento de Kefaya, que enfrentou o Presidente e a sua família. Apesar de não conseguirem arrastar uma massa de seguidores, entre a classe trabalhadora e os pobres das cidades, o uso por parte de Kefaya dos meios de comunicação, tanto sociais como convencionais, contribuiu para deslocar a cultura política do país. Milhões de egípcios puderam ver, a partir das suas casas, como os audazes jovens activistas se burlavam do presidente no centro de Cairo, levantando faixas com lemas inimagináveis uma década antes.

Em Dezembro de 2006,os trabalhadores do maior centro têxtil do Médio Oriente, situado na cidade de Mahalla, no delta do Nilo, declararam greve. Esta acção produziu-se depois de duas décadas de tréguas na luta sindical causada pela repressão e de um agressivo programa neoliberal que contava com as bênçãos do FMI e do Banco Mundial. Depois da sua vitória, que recebeu ampla cobertura por parte dos media, o sector têxtil viu-se inundado por uma vaga de greves nas quais os trabalhadores de outras fábricas exigiam o mesmo que os de Mahalla tinham alcançado. A militância sindical depressa se estendeu a outros sectores da economia. As imagens das greves, retransmitidas por meios tantos sociais como convencionais, fizeram com que milhões de trabalhadores pudessem vencer gradualmente os seus temores e organizassem protestos inspirados pelas notícias de vitórias grevistas de outros sectores. Na minha condição de jornalista que cobriu a vaga de greves de 2007, ouvi com frequência afirmar aos grevistas: “ Animamo-nos a mobilizar-nos ao saber do ocorrido em Mahalla.”

Houve quem desprezasse a vaga de greves, acreditando ser unicamente económica, mas era essencialmente política. Em Abril de 2008, aconteceu uma mini-revolta na cidade de Mahalla, causada pelo preço do pão. As forças de segurança esmagaram o levantamento num par de dias, deixando pelo menos três mortos e centenas de detidos e torturados. As cenas do que chegou a ser conhecido como “Intifada de Mahall” podem ter constituído um ensaio geral do que aconteceu em 2011, com os manifestantes deitando abaixo cartazes de Mubarak, enfrentando as forças policiais e desafiando os símbolos do odiado Partido Nacional Democrático. Pouco depois, produziu-se uma revolta similar na cidade de El-Borollos, a norte do delta do Nilo. Embora ditos levantamentos tenham sido sufocados, o país continuou a ser testemunha, quase diariamente, de greves e paragens dos trabalhadores, assim como de manifestações mais reduzidas de activistas no centro do Cairo e nas províncias. Os trabalhadores que se manifestaram na Primavera e Inverno de 2010 ocuparam a zona que rodeia o Parlamento, naquilo que os colunistas locais descreveram como “o Hyde Park do Cairo”.

Essas lutas políticas e económicas do dia-a-dia contra o Estado, significaram uma rápida corrosão da legitimidade do regime de Mubarak, supondo que alguma vez tivesse existido. Em Outubro de 2010, decididamente, já se respirava algo no ambiente. Tornou-se normal encontrar greves, aqui ou ali, a caminho do trabalho. Os funcionários que regressavam a casa cruzavam-se com grevistas que levavam a cabo alguns pequenos protestos, no centro do Cairo. Olhavam e, muito ocasionalmente, reagiam. Mas eram testemunhas de um desdobramento visual de dissidência quotidiana.

E então Tunes passou pela sua própria revolta, derrubou um tirano, e o mais importante, a revolução foi vista por milhões de espectadores do Egipto e outros lugares, de novo em boa medida, através da Al Jazira. Não foi mais do que um dos numerosos catalisadores: os incidentes diários de brutalidade policial proporcionaram muitos mais.

O levantamento que se iniciou em 25 de Janeiro de 2011 foi o resultado de um largo processo em que o muro de temor se derrubou pedaço a pedaço. A chave de tudo consistiu na transmissão visual das acções sobre o terreno à maior audiência possível. Nada contribui tanto para a erosão do próprio medo como saber que há mais gente, noutros lugares, que compartilha o mesmo desejo de libertação e começou já a actuar. 20/03/11

Nota: [1] Kefaya e el-Hamla el-Sha3biya organizaram a sua primeira manifestação no Cairo contra Mubarak em frente ao Tribunal Supremo a 12 de Dezembro de 2004. Hossam el-Hamalawy, activo jornalista independente egípcio, radicado no Cairo, tem página na rede: www.arabawy.org. Uma selecção das suas esplêndidas fotos a preto e branco, feitas durante a revolta pode ser vista em: http://www.guardian.co.uk/commentisfree/gallery/2011/feb/11/egypt-protest#/?picture=371625685&index=0


Tradução de Cristina Barros para o Esquerda.net

Sem comentários: