• IRRACIONALIDADE HUMANA! - * Martinho Júnior | Luanda * *... “Una importante especie biológica está en riesgo de desaparecer por la rápida y progresiva liquidación de sus condici...
    Há 1 dia

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Guiné-Bissau: Alívio da dívida não resolve problemas e mundo estará atento...

.

... aos próximos desenvolvimentos - CPLP
.
MB – MSE - LUSA

Bissau, 19 dez (Lusa) -- O secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Domingos Simões Pereia, considera que o alívio da dívida da Guiné-Bissau não resolve os problemas do país e que o mundo estará "atento aos próximos desenvolvimentos".

"Não há um elemento qualquer que por si só possa resolver o problema", afirmou Domingos Simões Pereira em declarações à Lusa à margem do Momento CPLP, que decorre em Bissau.

Segundo Domingos Simões Pereira, os guineenses têm de "somar ingredientes, fatores que possam congregar para criar um momento positivo e isto é essencial".

"Tudo depende agora da forma como nos mobilizamos para o utilizar. Temos de estar conscientes de que o mundo ao estender-nos esta oportunidade estará atento aos próximos desenvolvimentos", sublinhou o secretário-executivo da CPLP.

"Saberemos honrar esta oportunidade criando consensos internos para que esta oportunidade produza frutos ou iremos desperdiçar a oportunidade através de discussões completamente desviadas do essencial", disse o guineense Domingos Simões Pereira.

O secretário-executivo da CPLP considerou também que é preciso estudar o significado do perdão de parte da dívida pelo Fundo Monetário Internacional e Banco Mundial, anunciado na quinta-feira.

"É preciso estudar o que significa o perdão da dívida, quais as implicações diretas, como abordar a questão numa vertente interna, mas também de uma visão internacional, porque eu acho que não compreendemos muito bem do quê que estamos a falar", disse.

Para Domingos Simões Pereia, o "perdão da dívida por si só não produz disponibilidades financeiras o que produz é a disponibilidade da comunidade financeira internacional considerar o país um interlocutor válido".

"É preciso produzir outros elementos que mobilizem a disponibilidade desses recursos, por outro lado liberta um curso normal de fluxo financeiro que pode ser devidamente utilizado para convencer que de facto estamos numa comunidade", disse.

O Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial anunciaram na quinta-feira um alívio da dívida para a Guiné-Bissau de 1,2 mil milhões de dólares (905 milhões de euros) e assistência financeira para reduzir ainda mais a dívida do país.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***
.

Sem comentários: