• A FRENTE NEGRA BRASILEIRA - *Carlos Roberto Saraiva da Costa Leite* | Porto Alegre | Brasil* Há 86 anos, em 16 de setembro de 1931, na cidade de São Paulo, foi criada a Frente Negr...
    Há 20 horas

domingo, 23 de janeiro de 2011

Portugal - Há quem tenha desistido de votar por não saber número de eleitor

.
Votação decorre com alguns problemas para eleitores com Cartão do Cidadão - foto Paulo Spranger/GI

JORNAL DE NOTÍCIAS – 23 janeiro 2011

Eleitores que usam o Cartão do Cidadão e não sabem o número de eleitor estão a ter problemas em votar, visto que essa informação não está inscrita no documento e nem todos estão a conseguir sabê-lo pelos meios disponibilizados pelo Governo.

» Participe, a partir das 20 horas, no debate em directo sobre os resultados eleitorais

Na freguesia de Cedofeita, no Porto, eleitores entrevistados pela SIC mostram descontentamento com a situação e há mesmo quem tenha desistido de exercer o seu direito de voto.

A meio da tarde, na Escola Secundária Eça de Queirós, na Póvoa de Varzim, a confusão nas mesas de voto também era grande: quem tem Cartão do Cidadão tinha que saber antecipadamente o novo número de eleitor para poder votar, mas a informação, queixavam-se os eleitores, "não foi convenientemente divulgada" e, na Junta de Freguesia, largas dezenas aglomeravam-se na fila para consultar o número. Muitos desistiram, já que, com o portal do cidadão indisponível desde o início da tarde, a espera por um simples número era, muitas vezes, de horas.

No Liceu Camões, em Lisboa, cerca de 50 pessoas aguardaram pelo menos meia hora, de cartão de cidadão em punho, para conhecer o novo número de eleitor, constatou a agência Lusa no local.
Depois de se dirigirem às mesas de voto correspondentes ao número de recenseamento das eleições anteriores (as autárquicas de 2009), os eleitores não viam o seu nome e número de identidade coincidirem e eram, assim, encaminhados para um posto de atendimento da Junta de Freguesia, contou João Malha .

"Estava uma fila enorme, estive ali cerca de meia hora à espera. Ainda por cima o sistema estava em baixo, o que fez com que apenas uma senhora fosse consultando, eleitor a eleitor, um caderno eleitoral", descreveu.

João Malha viu ainda "várias pessoas desistirem de votar, porque não estiveram para esperar". Na Escola Básica das Laranjeiras, igualmente em Lisboa, a situação repetiu-se.

Ana Aleixo descreveu à Lusa que depois de ter aguardado na fila da mesa de voto correspondente ao seu número de eleitor habitual, foi-lhe dito que o número não coincidia e que teria de aguardar numa nova fila para conhecer o novo número.

"Tal como aconteceu comigo, estava a acontecer a muita gente que tinha cartão de cidadão. Tinham de se dirigir a um posto de atendimento para conhecer o novo número", disse.

Ana Aleixo já tinha votado nas eleições anteriores com o cartão de cidadão e não tinha tido este problema.

"Está um alvoroço, uma grande confusão, as pessoas estão perdidas, principalmente as mais velhas, e ninguém ajuda a orientação", disse Ana Aleixo.

Já em Oeiras, disse à Lusa um membro de uma mesa de voto, também há filas. A situação agrava-se no concelho, porque os membros da mesa de voto dirigem os eleitores para o portal do cidadão ou a acederem ao serviço de SMS, sistemas que estão em baixa.

Na Junta de Freguesia de Benfica, Lisboa, os membros da mesa de voto adoptam o mesmo comportamento.

Luís Ferreira contou à Lusa que por ter recorrido ao serviço de SMS 3838 e não ter obtido resposta, se dirigiu à Junta a fim de obter o novo número de eleitor e votar.

"As filas eram enormes e no local não conseguem ajudar as pessoas, porque a maneira de obter os números é acedendo ao site", disse.

Já Ana Cunha recebeu por SMS o número de eleitor e freguesia onde deveria votar, já que mudou de residência há seis meses, mas quando chegou à Escola Secundária de Miraflores, em Algés, foi-lhe dito que não constava dos cadernos eleitorais.

"Voltei a enviar mensagem e não recebi resposta. Tentei aceder ao portal e está sempre em baixo. As filas estão enormes", disse.

Na margem sul do Tejo, em Almada, houve eleitores a quem só mudaram de número de recenseamento e viram ainda a sua secção de voto alterada, sendo obrigados a dirigirem-se a outro local de voto, comprovou a Lusa no local.

Um eleitor, que nas autárquicas tinha votado com cartão de cidadão na Escola da Charneca da Caparica, foi informado, naquela escola, que além do novo número, tinha de se dirigir à Escola Básica Integrada da Caparica.

Mais títulos:
> Afluência às urnas inferior à de 2006
> Administração Interna apela a que eleitores recorram aos serviços para conhecer mesa de voto
> Ramalho Eanes admite "mágoa" pela forma como decorreu a campanha
> Defensor Moura lamenta abstenção
.

Sem comentários: