• A FRENTE NEGRA BRASILEIRA - *Carlos Roberto Saraiva da Costa Leite* | Porto Alegre | Brasil* Há 86 anos, em 16 de setembro de 1931, na cidade de São Paulo, foi criada a Frente Negr...
    Há 11 horas

quarta-feira, 16 de março de 2011

ELES NÃO QUEREM ISTO

.
Manifestantes da “Geração Rasca” a concentrar-se na Praça Marquês de Pombal, em Lisboa

BAPTISTA BASTOS – DIÁRIO DE NOTÍCIAS, opinião

Trezentas mil pessoas a manifestar-se nas ruas do País devia suscitar alguma apreensão. O protesto dirigia-se, bem entendido, a quem nos governa. Mas, também, a quem nos vai governar e a quem nos tem governado. A noção de que algo está a dissolver--se, nos laços sociais que sedimentaram as nossas sociedades, emerge, aqui e além, com maior ou menor expressão de violência. Os por- tugueses que desfilaram, representando muitos mais outros, não querem "isto"; e "isto" é o sistema político-económico que se opõe à diferenciação, numa lógica que asfixia o pensamento progressista e permite as mais cruéis arbitrariedades.

A construção deste modelo de sociedade foi alegremente coadjuvada pelos partidos "de poder". E os partidos de "poder" são apoiados socialmente e sustentados financeiramente pelas forças que defendem interesses não muito claros. No século XIX, o "rotativismo" foi a expressão de um entendimento de classe que exercia o seu próprio império. Acabou com o regime. No nosso tempo, a "alternância" é o mimetismo, frequentemente arrogante, dessa política. Dá em desastre sem remissão, como está já a ver-se.

O protesto de sábado demonstrou que esta gente da "alternância" não serve, além de ser destinatária do maior dos desprezos e da mais pesada das execrações. E expressou, também, a positividade da afirmação de uma prática invulgar, que põe em causa os partidos e impõe uma "contraconduta". Numa sociedade onde as coisas estão organizadas para a partilha ser cuidadosamente dividida entre o PS e o PSD, os outros partidos não servirão, somente, como comparsas (cúmplices?) de uma atroz indignidade? O movimento de sábado introduziu, no contexto histórico, uma singularidade que interpela as relações de poder e exige novas formas de cidadania.

A situação portuguesa não pode continuar no violento constrangimento imposto pelo PS e pelo PSD, na complexa teia de estruturas sociais e políticas que desfiguram a democracia e delimitam os laços sociais. Os dois últimos discursos de José Sócrates e Pedro Passos Coelho constituem versões da mesma banalidade, como se a insatisfação permanente e impressionantemente exposta pela sociedade que criaram não exigisse novas formas de actuação. Mas ambos são notoriamente incapazes de provocar outras experiências democráticas. E vivem na estranha coincidência de desconfiar um do outro, o que seria bom se essa desconfiança conduzisse ao confronto de ideias. Impossível: eles não as têm, e agem consoante a paradoxal conjunção das incertezas do "mercado".

O problema do poder coloca-se, no caso português, como um jogo de interesses obscuros e não como uma disputa ética e política entre gente com elevado espírito de missão.
.

Sem comentários: