• CUIDADO COM AS ARMADILHAS! - *Martinho Júnior | Luanda* Há demasiada interferência externa em relação a Angola neste momento, de que se está a aproveitar alguma "oposição" interna e...
    Há 2 horas

sábado, 2 de abril de 2011

MANUEL VICENTE PODE SUCEDER A EDUARDO DOS SANTOS

.
ANGOLA 24 HORAS – 02 abril 2011

Manuel Vicente, o atual presidente da Sonangol, poderá ser o cabeça de lista do MPLA nas eleições legislativas de 2012, substituindo José Eduardo dos Santos, refere a edição de hoje do semanário angolano "Novo Jornal", citando fontes angolanas.

No caso de o MPLA vir a ganhar as eleições, Manuel Vicente seria automaticamente eleito Presidente da República. Nos termos do artigo 109º da Constituição angolana, aprovada no ano passado, "é eleito Presidente da República e chefe do Executivo o cabeça de lista, pelo círculo nacional, do partido político ou coligação de partidos políticos mais votado".

Manuel Vicente anunciou recentemente que no final deste ano abandona a presidência da Sonangol, a companhia de petróleos angolana. Há um mês, Manuel Vicente questionado também pelo "Novo Jornal" sobre a sua eventual candidatura à Presidência da Republica referiu: "fui indicado por alguém e não posso defraudar quem lá me colocou". No último Congresso do MPLA, em 2009, Manuel Vicente foi eleito para o Bureau Político do MPLA na lista de José Eduardo dos Santos.

Manifestação hoje pela liberdade de expressão

Em fevereiro, fontes angolanas, tinham referido à edição em papel do Expresso ser uma "muito provável" que José Eduardo dos Santos não se candidatasse nas eleições de 2012. Dando lugar a outro candidato, depois de 32 anos no poder, e mantendo-se apenas como presidente do MPLA.

O MPLA realiza no final de abril o seu Congresso Extraordinário. Segundo refere o "Novo Jornal" a reunião magna poderá tratar da sucessão de José Eduardo dos Santos, abrindo caminho à candidatura de Manuel Vicente.

Entretanto, está marcada para hoje uma manifestação de jovens na Praça da Independência, em Luanda, que apela à liberdade de expressão em Angola. Esta manifestação, que foi autorizada pelo governo, segue-se à do passado 7 de Março, que exigia a demissão de José Eduardo dos Santos.

Expresso

Sem comentários: